Review: Invencível

invencível

Crítica por: Helena Rodrigues

Invencível conta a história verídica de Louie Zamperini, um jovem com descendência italiana que vivia numa pequena terra americana.
Em pequeno, Louie não sonhava ser ninguém. Era excluído e gozado pelas suas raízes estrangeiras. Foi o seu irmão que o motivou a procurar algo que o preenchesse e o fizesse encontrar um propósito na vida.

Zamperini tornou-se um famoso e promissor atleta olímpico, reconhecido e admirado por muitos. Cresceu e progrediu na vida de acordo com o lema “If you can take it, you can make” – “Se aguentares, vais conseguir”.
A carreira de Louie foi interrompida pela II Guerra mundial, onde se juntou às forças aliadas, assumindo o cargo de bombardeiro. Após ele e os seus camaradas se despenharem no oceano Louie enfrentou o maior e mais inspirador desafio de sobrevivência alguma vez contado.

Angelina Jolie assume as rédeas como realizadora e produtora deste filme marcante, com ajuda dos irmãos Coen no argumento, tendo como base o livro de Laura Hillenbrand.

Zamperini representa uma figura de coragem, compaixão e humildade.
A cada desafio que lhe era apresentado, ele tomou-o, enfrentou-o e aguentou-o. O espectador é levado até ao campo de prisioneiros de guerra onde Zamperini permaneceu por mais de dois anos. As cenas de violência não são tão pesadas ou grotescas como eu esperava, mas é realçada de forma inspiradora a resiliência de Louie, e o actor Jack O’ Connell não poderia ter feito melhor.

Angelina está de parabéns por trazer ao grande ecrã uma história real, que não mergulha nos clássicos dramatismos de guerra, conseguindo fazer emergir uma bonita mensagem de força e esperança. Jack O’Connell que encarnou esta pessoa memorável também está de parabéns pelo seu forte desempenho, e sem dúvida, nada disto veríamos se não fosse o próprio Zamperini que viveu para contar história, falecendo no ano de 2014.
Com uma vida preenchida, não de ódio, mas de amor e perdão.”

VER TRAILER