Review: Mães À Solta

 

Crítica por: Helena Rodrigues

“Mila Kunis é ‘Amy’, uma mulher de 32 que trabalha em part-time numa empresa gerida por um rapaz com metade da sua idade e que dedica o resto do seu tempo à casa e à família. Um retrato bastante comum nos dias de hoje: mulheres que tentam gerir as suas carreiras profissionais de forma a manterem uma presença constante na educação dos filhos, participando em inúmeras actividades escolares, tentando, no mínimo, mostrar ser a mãe perfeita.

Assim que o casamento falha e deixa de ter o apoio do marido, Amy confronta-se com as dificuldades normais de gerir todas as suas tarefas e ainda manter a satisfação dos filhos.
A ditadura da Presidente da Associação de Pais, interpretada por Christina Applegate, é a gota de água e Amy desiste de tentar ser perfeita em tudo, permitindo a si mesma uma pausa para descontrair juntamente com outras duas mães que também precisam de um “escape”.

bad moms

O que começa por parecer uma comédia banal vai-se transformando aos poucos num leque de momentos cómicos no feminino que vão agradar tanto a mulheres como a homens.
A linguagem e as atitudes loucas que estas três mães nos proporcionam provam que não é necessário um elenco maioriatariamente masculino para que aconteçam as coisas mais irreverentes e estapafúrdias com muito álcool à mistura.

Mas a história não se centra somente nos momentos de insanidade destas mães frustradas; é feita uma suave e eficaz ligação para momentos mais emotivos que trarão sorrisos e pequenos acenos de “eu sei o que é isso” de algumas mães e pais que se encontrem na plateia.

Sejam mães, futuras mães ou mesmo para quem nem pensou nisso, este é um filme que transmite a mensagem que a perfeição não existe. Relembra-nos que estamos sempre no caminho da aprendizagem e que não nos devemos inferiorizar por não saber como agir em certas alturas. O importante é transmitirmos os nossos melhores valores e esperar que tudo corra pelo melhor.

Uma das melhores comédias deste ano!

VER TRAILER